Central de Ideias Peças

A tigela de madeira – Dia dos Pais

 

Personagens: Marido – Esposa – Filho de 5 a 9 anos – Avô
Cenário: Uma mesa com 4 cadeiras – Tigela de Madeira – Alimentos

Entra a família, esposo, esposa e o filho, e começam um diálogo:

Esposo. É querida meu velho pai esta dando trabalho ultimamente, temos que fazer alguma coisa a respeito…

Esposa: Sim querido mais fazer o que ele esta tão velhinho. Nem consegue andar direito e para comer é uma dificuldade, com toda certeza teremos que tomar uma atitude…

Esposo: Paieeeeeee. Vem logo almoçar, que estamos com fome…

(entra o senhor de idade bem avançada, bem devagarinho, e se senta na mesa.Sempre com as mãos tremulas tendo alguma dificuldade em enxergar a própria comida)

Esposo: Senta ai meu pai, e vamos comer que estamos com fome.. o senhor demora demais.. ta louco… deixa eu colocar seu prato de comida…

(com alguma dificuldade o avô começa a comer bem devagar e sem querer deixa cair o copo no chão.)

Esposa: Nossa que bagunça vovô, esta vendo que o copo esta ai ao seu lado… puxa vida, só para me dar mais trabalho….

Avô – Me desculpem foi sem querer eu não encherguei.

Esposo: Por hoje chega, devemos tomar uma providência, e vai ser agora, pois todos os dias é essa confusão.

Esposa: Todos os dias é derramamento de leito pela manha, é talheres caindo, é barulho de gente comendo com a boca aberta e comida caindo no chão.

Esposo: A parti de hoje pai o senhor vai comer no canto da cozinha, um espaço só seu…ok…(aponta para o canto da igreja onde o velhinho terá que comer).

Esposa: Toma aqui vovô, sua tigela de madeira, para caso cair no chão não quebre ok… bom apetite…

(deixa o vovô no canto e sai como se estivesse agradecendo…O Avô então senta no chão e começa a comer sozinho. O avô faz cara de tristeza, e começa a sair
lagrimas de seus olhos, e quando foi enxugar as lágrimas deixa cair os talheres de sua mão.

Esposo: Toma mais cuidado pai, se não vai fazer mais bagunça ainda.

(O menino vendo aquela cena, foi at´pe o avô e fala as seguintes palavras…)

Filho: Vovô, posso te pedir uma coisa…

Vovô: Sim…meu…netinho…pode pedir o que você quiser… (falando devagar.)

(nisso os pais param de comer e observam o filho).

Filho: Vovô, quando o senhor morrer, o senhor poderia deixar para mim essa tigela de madeira…

Vovô – Lógico meu netinho, vou fazer o seguinte vou deixar tudo que tenho para você ta bom…agora vai lar jantar com o seus pais…

Filhinho – Não vovô eu só vou precisar da Tigela de madeira…um beijo ta…

(e sai retornando para a mesa…quando ele senta o pai lhe perguntaJ

Esposo: Meu filho, por que você foi até la pedir ao seu avô a sua tigela de madeira.

Esposa: É para você brincar com ela é..meu filho…

Filho: Não papai, sabe não é para mim brincar não, é para quando eu crescer e vocês forem morar comigo, eu dar de presente para vocês, irem comer no canto da cozinha…

O esposo e a esposa olham um para o outro e fica mais ou menos 30 segundos de silêncio, como se estivessem refletindo… faz como se estivessem enxugando as lágrimas… então os dois se levantam e vão até o vovô.

Esposo: Pai vem para a mesa conosco, afinal você é o nosso vovô, me desculpe, pelo que fizemos você passar.

Esposa: Nos desculpe, pode deixar que nós nos acostumamos com os seus defeitos, pois o amor que sentimos por ti deve ser mais forte que qualquer outra coisa…

(O vovô se levanta e vai até a mesa e abraça a todos)

Entra o orador para encerrar:

Mensagem:

De uma forma positiva, aquela família aprendeu que não importa o que aconteça ou quão ruim pareça o dia de hoje, a vida continua, e amanhã será melhor.

Aprenderam que se pode conhecer bem uma pessoa, que não importa o tipo de que tenha com seus pais, você sentirá falta deles quando partirem.

Aprenderam que saber ganhar a vida não é a mesma coisa que saber viver.

Aprenderam que a vida as vezes nos dá uma segunda chance.

Aprenderam que viver não é só receber é também dar.

Aprenderam que se você procurar a felicidade, vai se iludir. Mas se focalizar a atenção na família, nos amigos, nas necessidades dos outros, no trabalho e procurar fazer o melhor, a felicidade vai encontra-lo.

Aprenderam que sempre quando decidirem algo com o coração aberto, geralmente acertam.

Aprenderam que quando sentem dores, não precisam ser uma dor para os outros.

Aprenderam que diariamente precisamos alcançar e tocar alguém. Pois as pessoas gostam de um toque humano, segurar na mão, receber um abraço afetuoso ou simplesmente um tapinha amigável nas costas.

Aprendemos que temos muito ainda que aprender.

Aprendemos que as pessoas se esquecerão do que você disse… esquecerão o que você fez… mas nunca esquecerão como você as tratou.

Oração final pelo orador:

About the author

admin

Add Comment

Click here to post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Categorias

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE